Diante da alta lucratividade da indústria pornográfica, e da grande exposição que alguns poucos atores e atrizes recebem como se fossem celebridades cinematográficas, ela passa a ser encarada como uma possibilidade de trabalho para muitas jovens mulheres e homens.

No entanto, a grande maioria das pessoas que faz parte dessa indústria encara uma realidade perversa. Seu cotidiano pode ser resumido em:

  • Sofrer violência física e psicológica extremas,
  • Abusar de drogas ilícitas numa tentativa de anestesiar a dor causada pela violência,
  • Contrair doenças sexualmente transmissíveis,
  • Utilizar o ínfimo dinheiro que ganha para manter os padrões estéticos exigidos,
  • Ver sua carreira acabar em no máximo um ano, deixando cicatrizes no corpo e na alma, que duram a vida inteira.

Os riscos são altos. Mas ainda assim as possibilidades remotas de se tornarem “estrelas pornô” atraem cada vez mais jovens e adolescentes para essa indústria. A questão é: por que isso acontece? Quais são principais os mecanismos utilizados pela indústria?

Propagandas enganosas e promessas fantasiosas

A produção de conteúdo pornográfico está baseada em promessas fantasiosas, para recrutar principalmente meninas em idade próxima aos dezoito anos, as quais, por inocência e/ou fragilidade acabam entrando em uma indústria de exploração que não oferece um caminho simples de saída.

É isso o que revelam documentários como “Hot Girls Wanted” (2015), que mostra como acontece a entrada de garotas na produção de filmes pornográficos, e a realidade que ali enfrentam.

Muitas meninas são atraídas por propostas de ganhar dinheiro com facilidade, anunciadas em websites por agenciadores, que oferecem alto rendimento em pouco tempo, mas não revelam exatamente do que se trata o trabalho; assim, muitas são levadas pelo engano, pensando tratar-se de propostas de emprego como dançarinas ou modelos.

Além disso, até mesmo aquelas pessoas que demonstram compreender que os anúncios estão relacionados à indústria pornográfica, relatam que não tinham uma noção correta dos impactos a que estariam sujeitas uma vez que assumissem a carreira de “atriz pornô”.

Situação de vulnerabilidade – também no Brasil

Além de utilizar táticas questionáveis com promessas falsas, outros fatores contribuem para o sucesso do recrutamento realizado pelos produtores de conteúdo pornográfico.

De acordo com o relatório da “Pesquisa tri-nacional sobre tráfico de mulheres do Brasil” [1], a indústria muitas vezes se prevalece das situações de vulnerabilidade das mulheres.

“As condições concretas de vida e de miséria não deixam às mulheres outra escolha senão a de submeter-se à exploração, sem a menor consciência de que estão abrindo mão de direitos substantivos à dignidade humana, como a liberdade, o respeito, a locomoção, a saúde física e mental, direitos dos quais, aliás, ninguém pode simplesmente abdicar” [1].

Um caminho sem volta

Apesar da malícia em publicar anúncios com promessas fantasiosas e se aproveitar de situações de fragilidade, alguém ainda poderia argumentar que isso é característico de propagandas, e que a indústria pornográfica, como qualquer outra, dá aos empregados autonomia para a deixarem e seguirem um rumo diferente.

No entanto a realidade de trabalho que as atrizes enfrentam revela que essa autonomia é inexistente. Elas se tornam reféns da violência, da coerção, das drogas – de um contexto aprisionador.

Além disso, há um terceiro aspecto na forma como meninas são recrutadas, que demonstra com clareza a perversidade dessa indústria: dos cerca de 27 milhões de escravos no mundo, estima-se que 80% são mulheres ou meninas, e 50% são menores de idade. 4,5 milhões dessas pessoas são escravizadas para exploração sexual, enquanto 20% de toda a pornografia online envolvem crianças que são vítimas do tráfico de pessoas [2].

Muitas mulheres e crianças que são vítimas de escravidão sexual são introduzidas na indústria da prostituição, e acabam sendo filmadas – sem seu consentimento – durante o ato sexual, com o objetivo de produzir pornografia. Essa situação se repete ao redor de todo o mundo e, em países como a Ucrânia, que é uma das principais origens do tráfico de pessoas, 96% das vítimas são mulheres, sendo que entre as atividades forçadas mais comuns para meninas com menos de 12 anos está a produção de pornografia [3].

O que você pode fazer?

A indústria pornográfica é perversa. No cotidiano que oferece a quem dela faz parte, e também nos mecanismos que utiliza para recrutá-los, são seres humanos de verdade que têm sua vida destruída, para a produção de pornografia. Cada clique a menos é uma forma de diminuir a demanda, e lutar contra essa situação. Não clique. Pare a demanda.

Compartilhe este texto para que mais pessoas conheçam essa realidade.


Referências:

  1. HAZEU, M. (Coord). Pesquisa tri-nacional sobre tráfico de mulheres do Brasil e da República Dominicana para o Suriname. Belém: Sodireitos, 2008.
  2. RESCUE FREEDOM. What is trafficking. Disponível em: http://www.rescuefreedom.org/our-work/what-is-trafficking/
  3. CORTEMIGLIA, V. Trafficking in minors for comercial sexual exploitation Ukraine. Disponível em: http://www.unicri.it/topics/trafficking_exploitation/archive/minors/countries_partners/dr_ukraine.pdf

Para conhecer os dados mais recentes sobre hábitos no consumo de pornografia no Brasil, e as opiniões de especialistas no assunto, baixe nosso eBook gratuito.

Relacionados: