No Brasil, se tornou conhecida a expressão “manda nudes”, que basicamente se refere ao pedido que uma pessoa faz para que outra lhe envie imagens pessoais revelando sua nudez.

Com uma câmera em mãos, qualquer pessoa pode passar de simples consumidor para protagonista na criação de conteú­do pornográfico. A popularização de smartphones, que conciliam câmeras a uma conexão direta com outras pessoas, por meio da Internet, viu surgir também o fenômeno conhecido como sex­ting. Esse termo vem da contração de sex (sexo) e texting(enviar mensagens via celular), e se refere ao envio de imagens pessoais, em que o remetente está nu ou seminu. É uma prática muito co­mum, especialmente para adolescentes e jovens adultos, como confirmam os dados encontrados na pesquisa “Hábitos no consumo de pornografia” (veja figura abaixo).

viu nudes x faixa etaria

A pesquisa analisou as respostas de 400 pessoas a diversas questões relacionadas ao consumo de pornografia, relacionamento virtual e nudes(imagens com nudez), e as motivações e sentimentos envolvidos nesses comportamentos. Os resultados revelaram que 70,59% das pessoas entre 13 e 17 anos já viram nudes de algu­ma pessoa que conhecem.

Os motivos para que uma pessoa compartilhe suas próprias imagens, revelando sua intimidade, podem estar relacionados a impulsos sexuais e desejos por popularidade, bem como a necessidade de satisfazer os pedidos de outras pessoas signifi­cativas, como namorados ou pessoas com quem se deseja ter um relacionamento. Conforme os resultados encontrados na pesquisa, mais de 60% das pessoas que já enviaram nudes e pouco mais da metade daquelas que já pediram nudes para alguém fizeram isso no contexto de um relacionamento de namoro (veja figura a seguir).

enviou e pediu nudes x para quem

No entanto, um dos maiores motivadores para essa prática é a própria cultura. “A “autopornografia” é cada vez mais presente em uma cultura “pornificada”, que encoraja e recompensa os impulsos pornográficos. Mulheres como Kim Kardashian, Pamela An­derson e Paris Hilton são exemplos de que expor sua intimida­de pode transformar uma pessoa em celebridade” [1].

Diante dessa realidade, muitas pessoas que enviam ou recebem essas imagens não per­cebem as sérias implicações sociais, legais, emocionais e psico­lógicas que podem decorrer, principalmente quando as imagens são compartilhadas sem o consentimento da pessoa fotografada. Não são poucos os relatos de vítimas que, devido ao trauma de terem sido violentadas ou à pressão psicológica da exposição, enfrentam repúdio social ou bullying, depressão, e algumas che­gam até mesmo a cometer suicídio [2].

O que você pode fazer?

Compreender a realidade sobre o que tem acontecido nos relacionamentos e as pressões culturais que os cercam é fundamental para escolher com sabedoria a pessoa com quem se relaciona. Além disso, também é importante para quem deseja ajudar e orientar quem está mais vulnerável a essas pressões.

Compartilhe este texto para levar conscientização adiante! Para conhecer essa temática com maior profundidade, baixe o eBook gratuito “Hábitos no consumo de pornografia”.

Referências:

  1. CARLSON, D.; ROSEBORO, D. The Sexuality curriculum and youth culture. Peter Lang: 2011.
  2. PETERSON-IYER, K. Mobile porn? Teenage sexting and justi­ce for women. In: Journal of the Society of Christian Ethics 33 (2): 93-110, 2013.

Para conhecer os dados mais recentes sobre hábitos no consumo de pornografia no Brasil, e as opiniões de especialistas no assunto, baixe nosso eBook gratuito.

Relacionados: