Estatisticamente, as pessoas que não se identificam com nenhuma religião são as que acessam pornografia com maior frequência: 84,85% o fazem no mínimo uma vez por mês. As porcentagens para religiosos são menores, mas também são expressivas: 2 em cada 3 cristãos Protestantes Históricos dizem acessar pornografia mensalmente (veja figura abaixo).

frequencia x religiao

Mensalmente, acessam pornografia: 72,73% dos Católicos; 67,19% dos Protestantes Históricos; 57,38% dos Evangélicos; 50% dos Espíritas; e 45,45% de Outras Religiões.

Os dados fazem parte do relatório da pesquisa inédita “Hábitos no consumo de pornografia”, publicado em 2017, que analisou as respostas de 400 pessoas a diversas questões relacionadas ao consumo de pornografia, relacionamento virtual e nudes (imagens com nudez), e as motivações e sentimentos envolvidos nesses comportamentos (acesse o relatório completo aqui).

Para que serve a religião?

O conceito de religião tem a ver com um dos possíveis significados do termo; a raiz latina “religare” denota que algo está desconectado, e precisa ser religado. Toda religião tem este propósito: religar o ser humano a Deus. A diferença está na forma como cada uma delas prega que isso acontece.

Por obras ou por fé?

Para se conectar a Deus, algumas religiões vão dizer que você precisa seguir determinadas leis divinas, ou os ensinamentos de um mestre iluminado. Outras dizem que é preciso libertar-se de todo tipo de desejo, ou exercitar uma prática meditativa para encontrar sintonia com o universo. Em todos os casos, cabe a você trilhar o caminho para chegar até Deus. Para ser religado a Ele, você precisa de algum tipo de boas obras.

Mas há uma exceção. Uma das principais peculiaridades da mensagem sobre Jesus é justamente o fato de ela apresentar Deus vindo ao encontro do ser humano, e não o contrário.

A Bíblia é muito realista. Ela diz que “todos pecaram e estão afastados da presença gloriosa de Deus” (Rm 3.23). A boa notícia é que Ele escolheu nos trazer de volta para si: Jesus “tinha a natureza de Deus, (…) abriu mão de tudo o que era seu e tomou a natureza de servo, tornando-se assim igual aos seres humanos (…) ele foi humilde e obedeceu a Deus até a morte – morte de cruz” (Fp 2.6-7).

Ao morrer pelo pecador, Jesus lhe confere perdão; Paulo diz que “Deus ofereceu Cristo como sacrifício para que, pela sua morte na cruz, Cristo se tornasse o meio de as pessoas receberem o perdão dos seus pecados, pela fé nele” (Rm 3.25-26).

A religião cristã entende que a nossa conexão com Deus não pode depender de nossas obras, mas depende unicamente da fé. Fé nas obras de Jesus.

O problema da culpa – e a resposta de Jesus

A questão é que, mesmo tendo a fé de que seus pecados estão perdoados por causa do sacrifício de Jesus, grande parte dos cristãos que lutam contra a pornografia encontram-se afundados na culpa. Por isso, a luta se torna ainda mais difícil. Cada recaída aumenta a impressão de sua dívida para com Deus, e assim consomem sua vida procurando alcançar o inatingível, ao invés de descansar nas obras de Jesus.

Pode até parecer estranho, mas deixar de ver pornografia não vai fazer com que Deus o ame mais. Lembre-se: não há nada que você possa fazer para chegar mais perto de Deus. Foi Ele quem escolheu trazer você para perto dele, por meio de Jesus.

Assim, não lutamos contra a pornografia simplesmente para agradar a Deus. Fazemos isso para o bem do nosso próximo. Fazemos isso para viver reconciliação com as pessoas ao nosso redor, e com nosso próprio ser. Jesus o liberta para viver assim, e está ao seu lado para ajudá-lo (Mt 28.20).

O que você pode fazer?

A religião pode despertar um senso de responsabilidade, quando nos deparamos com os muitos males que a pornografia causa. Jesus nos livra do peso da culpa e nos liberta para viver em amor ao próximo, inclusive na luta contra a pornografia. Compartilhe este texto para que mais pessoas conheçam essa realidade!

Baixe gratuitamente: 2 eBooks + 1 PPT para lutar contra a pornografia.

Relacionados: