Sentir culpa é reação padrão para quem vê pornografia. Mas, por que as pessoas se sentem assim? E, como lidar com esse sentimento? Seja você o ofensor ou o ofendido, há resposta para todas as ocasiões.

Em 2016, quando eu estava concluindo o curso de Teologia, realizei uma pesquisa intitulada “Hábitos no Consumo de Pornografia”. Lancei um questionário, e a participação das pessoas me surpreendeu. Foram 400 respostas completas, gerando cerca de 10.000 itens para analisar! Foi bem trabalhoso, mas valeu a pena.

No início de 2017, em parceria com a Hora Luterana, lançamos o relatório completo dessa pesquisa, em um eBook que você pode baixar gratuitamente.

Uma das questões mais importantes nos chamou a atenção por seu resultado. Foi a resposta à pergunta “qual sentimento com que você mais se identifica, após ver conteúdo pornográfico?”.

E o resultado? Mais da metade (52,67%) das pessoas se sentem culpadas por consumirem pornografia (veja a figura a seguir).

sentimento

Por que as pessoas se sentem assim?

A culpa pode surgir devido a diversos fatores. Entre os mais comuns está um senso de moralidade, que indica que há algo de errado nesse comportamento. E não importa qual é a sua posição filosófica ou religiosa, não importa qual é a sua visão de mundo, não há como negar que há muita coisa errada com a pornografia, especialmente quando conhecemos os grandes prejuízos que ela causa.

Portanto, esse sentimento de culpa pode ter um lado positivo. Ele pode atuar como um indicador de que estamos trilhando um caminho que não é desejável, e assim se tornar um passo importante no processo de mudança.

Por outro lado, para algumas pessoas a culpa pode ser paralisadora… De acordo com o médico Paul Tournier, as pessoas sofrem com a culpa porque creem que “tudo deve ser pago”, ou seja, que seus maus comportamentos devem sofrer consequências justas. Assim, elas “realmente pagam, quase literalmente, com a sua saúde. A tremenda agonia desta culpa inesgotável (…) é uma espécie de sacrifício expiatório que estão rendendo” [1].

Como lidar com esse sentimento?

Você já se sentiu assim? Como se não houvesse o que possa ser feito para remediar os erros cometidos?

É um sentimento muito doloroso, pois em grande parte das ocasiões na vida realmente não é possível voltar atrás para mudar nossas ações. E, nesses casos, as marcas ficam. Tanto em nossa consciência, quanto na vida das pessoas a quem ofendemos. Por isso, precisamos aprender a lidar com o sentimento de culpa, de acordo com a situação em que nos encontramos.

a) Se você é o ofensor…

Sentir culpa por ver pornografia é uma consequência natural. Ela traz diversos problemas para a sua própria vida e para a de outras pessoas ao seu redor. Para essa culpa, a resposta é arrependimento.

Arrependimento não é somente um pedido de desculpas. Arrependimento é a confissão dos erros, a compreensão da incapacidade de compensá-los e a disposição de não mais cometê-los.

O arrependimento não tira a responsabilidade que temos pelas ofensas que cometemos, nem nos livra das consequências desses atos. Também não obriga a pessoa a quem você ofendeu a perdoá-lo. Mas é o único meio para que você possa ser libertado do peso da culpa.

b) Se você foi ofendido…

Se o seu cônjuge, namorado (a) ou outra pessoa significativa consome pornografia, isso é uma ofensa. É infidelidade e desprezo por você. Isso não está certo.

Nesse caso, diante da culpa que a outra pessoa carrega, a resposta que você pode dar é o perdão.

Veja bem: perdão não é simplesmente apagar o passado e dizer que está tudo bem. E perdoar também não significa necessariamente que você precisa conviver com a pessoa que lhe ofendeu.

Perdão é uma atitude que percebe os erros do ofensor, e, por reconhecer sua incapacidade de compensá-los, o liberta do peso da culpa. Mas perdoar também liberta você mesmo do peso de julgar quem lhe ofendeu.

Você pode escolher perdoar a pessoa que ofendeu você, mesmo que ela não esteja arrependida. Mesmo que ela não confesse seus erros, não compreenda a dimensão do mal causado, e não esteja disposta a mudar.

O perdão tem um caráter libertador, tanto para quem é perdoado como para quem perdoa.

c) Em todas as ocasiões…

Essa dinâmica de arrependimento e perdão é mais claramente demonstrada na maneira como a Bíblia retrata o relacionamento de Deus com a humanidade.

Deus é aquele que, em última instância, é o verdadeiro ofendido por nossas falhas. Ele tem sobre si o direito e o peso de nos julgar. No entanto, ele escolheu nos perdoar, e assumiu sobre si também o peso de nossa culpa. Na cruz, em Jesus, Deus executou o julgamento e concedeu perdão: “Deus perdoou todos os nossos pecados e anulou a conta da nossa dívida (…). Ele acabou com essa conta, pregando-a na cruz” (Cl 2.13-14).

É o que Martinho Lutero chamou de “maravilhosa troca”: “Jesus Cristo tomou nosso lugar (…). Ele tomou sobre si todas as dívidas e culpas da humanidade para com Deus. Ele realizou essa satisfação que as pessoas não eram capazes de produzir por si” [2].

Pode ser que você se sinta culpado por ver pornografia; ou machucado pelos erros de uma pessoa próxima. Em todas as ocasiões, quando ofendemos alguém ou quando somos ofendidos, temos o perdão e a paz que vêm de Deus, em Jesus.

O que você pode fazer?

A culpa que a pornografia lança sobre nossos ombros é real. Mas real também é o perdão concedido por Jesus. Ele nos liberta para vivermos a dinâmica de arrependimento e perdão com o nosso próximo. Compartilhe este texto para que mais pessoas compreendam essa realidade!

Referências:

  1. TOURNIER, P. Culpa e graça: uma análise do sentimento de culpa e o ensino do evangelho. São Paulo: ABU, 1985.
  2. ALTHAUS, P. A teologia de Martinho Lutero. Canoas: ULBRA, 2008, p.219.

Para conhecer os dados mais recentes sobre hábitos no consumo de pornografia no Brasil, e as opiniões de especialistas no assunto, baixe nosso eBook gratuito.

Relacionados: